Qual o termo correto: enfarte, enfarto ou infarto?

     Admitem-se três grafias distintas: enfarteenfarto ou infarte. Porém quem teve um infarte, não resistiu e morreu. Já que teve um em enfarte ou enfarto (iniciado com a letra “E”) certamente sobreviveu.
     Portanto, tome cuidado com estas grafias com o uso da expressão fulminante, pois o uso desta expressão está errado quando antecedido por qualquer uma das palavras anteriores. Se paciente teve um infarto (com “I”) significa que ele não sobreviveu ao ataque cardíaco e, portanto, o uso da expressão fulminante (como em: infarto fulminante) seria redundante. Caso o paciente tenha sofrido um enfarte ou um enfarto (escritos com “E”) significa dizer que ele sobreviveu ao ataque cárdico e, portanto, o uso da expressão “fulminante” se torna contraditório, uma vez que fulminante, segundo a definição do dicionário Houaiss, significa: “que mata rápida ou instantaneamente”.
     Recapitulando: INFARTO = paciente não sobreviveu
                                 ENFARTE = paciente sobreviveu
                                ENFARTO = paciente sobreviveu

Qual a diferença entre mandato e mandado?

     Mandado é derivado de “mandar”. Na linguagem jurídica esta palavra é utilizada para designar ordem escrita que emana de autoridade judicial ou administrativa.
     Mandato é a autorização que alguém conferiu a outrem para praticar em seu nome certos atos. Nesse sentido tem o significado de procuração. 
     Também é empregado no sentido de poderes políticos outorgados pelo povo a um cidadão, para que governe a nação, estados ou municípios ou o represente nas no congresso nacional (senado e câmara), nas assembleias legislativas nos estados e no Distrito Federal ou nas câmaras municipais.
     Por extensão, chama-se também mandato à outorga de poderes em instituições de menor importância como, por exemplo, universidades, escolas, clubes de futebol, associações ou onde quer que se faça necessário poder centralizado escolhido por outros.
     Todo juiz competente expede mandado (com “D”): mandado de segurança, mandado judicial. Então, mandado (com “D”), é ordem  judicial ou administrativa; já mandato (com “T”) é uma autorização, procuração ou delegação de poderes de uma ou mais pessoas para outra (mandato de deputado, senador, prefeito etc.). 

Qual a diferença entre delatar, dilatar e deletar?

     Delatar significa “denunciar”, “acusar” (de crime), “revelar” (um crime), “dedurar” (a traição do marido ou mulher), “alcaguetar” (um amigo).
Exemplo: O Assaltante delatou seus comparsas à polícia.
                  João delatou ao seu pai as travessuras de seu irmão.
Do mesmo radical derivam o substantivo feminino delação (ato de delatar), o substantivo delator (aquele que delata), o adjetivo delatável (aquilo que pode ser delatado).
     Dilatar significa “aumentar”, “ampliar”, “distender”, “divulgar”.
Exemplo: O calor dilatou o líquido que está no recipiente.
                  O sol fez dilatar os trilhos do trem.
     Deletar é um verbo incorporado recentemente ao vocabulário da Língua Portuguesa e, até bem pouco tempo atrás, restritos aos profissionais da área de informática. Com a popularização da internet e dos computadores o verbo deletar, que significa “apagar”, “excluir”, também se popularizou e hoje é muito usado em abstrato e em sentido figurado.
Exemplos: Deletei minha rede de amigos no Orkut.
                    Deletei de minha mente lembranças ruins.

Como escrever números e símbolos

     De acordo com as normas baseadas na Portaria nº 36, de 6 de agosto de 1965, do Instituto Nacional de Pesos e Medidas, atual INMETRO:
    A)   Usa-se o ponto na separação de classes (2.469.723) e vírgula entre a parte inteira e a decimal (5,369). Excetuam-se os nomes indicativos do ano (2011), de telefones (4444-8888), de placas de veículos (ANO – 2011), os que compõem com letras identificação ou série de fabricação ou código (35OG56974154531199) etc.; os números reunidos em quadros ou tabelas (943653).
 B)   O símbolo de qualquer unidade de medida deve vir sem ponto e junto ao número: 2m³, 20km, 8h25m, 15°C, 3°24’30.
C)   Quando o valor numérico de uma grandeza apresentar parte fracionária, o símbolo será escrito em seguida à parte fracionária: 50,25m.
D)   O símbolo (R maiúsculo seguido de $) da moeda nacional (o Real) deve preceder o número indicativo da importância, havendo espaço entre eles: R$ 2.000,23.

Bujão ou botijão de gás?

     BUJÃO (do francês bouchon) é uma bucha com que se tapam buracos ou tampa de atarrachar. No sentido de recipiente metálico, usado para armazenar produtos voláteis, prefiro a forma BOTIJÃO.
     O dicionário Aurélio considera bujão sinônimo de BOTIJÃO, entretanto é importante lembrar que bujão, no sentido de BOTIJÃO, é uma corruptela (=palavra que se corrompe foneticamente). As corruptelas, em geral, são formas características da linguagem popular: milico (de militar), maraca (de Maracanã), buteco (de botequim), fusca (de Volkswagen)…

Você sabe o que são palavras homônimas?

     Homo (do grego) significa “igual”. São palavras iguais. O nosso problema, na realidade, são as palavras homônimas homófonas (= som igual, escrita diferente e significados diferentes). É o caso de conserto e concerto. Quando falamos, não se percebe a diferença, pois a pronúncia é a mesma. A dúvida surge na hora de escrever: é com “s” ou “c”? Aí depende do sentido.
     Todo concerto musical se escreve com “c”. E conserto do verbo consertar (=reparar, corrigir) é com “s”. É bom tomar cuidado.
     Vejamos uma historinha que dizem ser verdadeira. Eu não acredito. Em todo caso, lá vai:
Certo comerciante (não importa a nacionalidade) escreveu um cartaz e afixou na porta do seu estabelecimento: “Aos meus empregados. A partir de hoje, quero as nossas portas serradas às 18h.” Foi atendido. Ao voltar à loja, no dia seguinte, encontrou todas as portas pela metade.
     Se a ficha não caiu, anote:
CERRAR significa “fechar”; SERRAR significa “cortar”.
       E palavras parônimas?
São aquelas palavras parecidas na forma, mas bem diferentes quanto ao significado.
Imagine que um colega seu tenha sido demitido por ter cometido uma série de erros. Você é designado para o lugar dele. No seu primeiro relatório, escreve: “Ratifico os erros do meu antigo companheiro”. Que vai acontecer? Você “vai pra rua” também. Ratificar erros é ignorância dupla. RATIFICAR é “confirmar”. Erros nós retificamos.
     Se você não sabia, anote:
RATIFICAR significa “confirmar”; RETIFICAR significa “corrigir”.
     Resumindo:
HOMÔNIMAS HOMÓFONAS: palavras com a mesma pronúncia, com alguma diferença gráfica e com diferentes significados;
PARÔNIMAS: palavras parecidas na forma, com diferentes significado.

Fonte: professor Sérgio Nogueira

Boêmia ou boemia, qual o termo correto?

     Os substantivos boêmia e boemia, que nomeiam a “vida desregrada”, “despreocupada”, “vadia”, são formas variante e podem ser empregadas indistintamente.
     Exemplos: A boêmia levou-o à ruína.; “Boemia aqui me tens de regresso... (Adelino Moreira).
     Na verdade, a forma original é boêmia (derivada do nome da cidade Boêmia, na República Tcheca, terra de ciganos); boemia é uma variante prosódica. Já o adjetivo admite uma única forma: boêmio (masculino) e boêmia (feminino). Não existe o adjetivo “boêmio” nem o adjetivo “boemia”.
     Exemplo: O comportamento boêmio levou-o à ruína.
     O mesmo ocorre com o substantivo, que designa o natural da Boêmia ou aquele que leva uma vida boêmia: Nelson Gonçalves imortalizou a canção “A volta do boêmio”.
     Já Bohemia (escrita desta forma, “com h”) é o nome de uma cerveja muito apreciada pelos boêmios brasileiros.

Entrega a domicílio, à domicílio ou em domicílio?

     Entrega-se televisor à domicílio?
     Incorreto . Toda entrega deve ser feita a domicílio (sem crase) ou em domicílio.
     Não ocorre crase antes das palavras domicílio, pé, cavalo, álcool, prazo, por serem palavras masculinas. Não se usa crase antes de palavras masculinas.
     Então, ande a cavalo, a pé, compre um carro a álcool e, de preferência, a prazo. Compre um televisor em cores na loja que fica à direita da Avenida Barack Obama e peça que seja sempre entregue em domicílio.
     Lembre-se de que quem entrega, entrega alguma coisa em algum lugar; no caso, o televisor será entregue em casa.
     Agora, “o sr. João costuma ir a domicílio quando precisa pedir alguma coisa a alguém”. Neste caso, quem vai, vai a algum lugar.
     Uma exceção à regra seria caso um entregador fosse entregar alguma coisa a uma senhora de nome Domicílio (o que é muitíssimo improvável). Aí sim, ele entregaria, à Domicílio.

Qual a diferença entre tampouco e tão pouco?

     Tampouco é advérbio e significa “também não”.
Exemplo: Não comeu o arroz , tampouco o feijão.
     Tampouco é um advérbio de valor negativo, portanto não se justifica a redundante expressão “nem tampouco”.
     Em tão pouco, temos o advérbio de intensidade “tão” ou o advérbio "pouco" ou o pronome indefinido “pouco”. Nessa construção, para diferenciar o advérbio ou o pronome indefinido, observe o seguinte: o advérbio é invariável e sempre estará modificando um verbo; o pronome indefinido sempre estará se relacionando a um substantivo, com quem estabelecerá concordância de gênero e número.
     Exemplo: Ele estudou tão pouco.
     Apenas para que você não esqueça, a expressão “nem tampouco” é redundante e, por isso, seu uso não é recomendado na linguagem formal.

Qual a diferença entre conserto ("s") e concerto ("c")?

     Conserto (assim, escrito com "s") é o ato de reparar alguma coisa. Do substantivo conserto deriva o verbo consertar que, por conseguinte, significa reparar, arrumar, reorganizar, tornar à forma original aquilo que sofreu modificações que deturparam seu caráter original (forma, modelo etc)
     Concerto (assim, escrito com "c") é utilizado no sentido de espetáculo musical, mas é mais comumente usado para designar espetáculos musicais de dois gêneros específicos que são a música clássica ou erudita e o rock and roll.
        Alguns exemplos:
Assistimos a um concerto maravilhoso.
Prefiro um bom concerto de rock a um show de axé.
conserto do carro ficou caro.
Consertei minha bicicleta.
     Este pequeno post foi solicitado pelo nosso leitor Wesley, calouro de letras da UFJF.

Qual a diferença entre descriminar e discriminar?

     Descriminar é formado pelo prefixo des (que significa “ação contrária”) + o verbo criminar (que significa “imputar crime a”, “acusar”). Descriminar significa, portanto, “absolver de crime”, “inocentar”, ou seja, “não criminar”.
     Exemplo: Alguns parlamentares lutam para descriminar o uso da maconha.
     A esse verbo (descriminar), corresponde o substantivo descriminação (e não descriminalização).
     Exemplo: Alguns parlamentares lutam pela descriminação da maconha.
     Discriminar significa “distinguir”, “discernir”, “separar” e numa concepção mais moderna, “excluir”.
     Exemplo: A inexistência de uma política social eficaz discrimina os pobres.
     Alguns exemplos de discriminação são freqüentes na sociedade brasileira do século XXI: discriminação racial, discriminação religiosa, discriminação social, discriminação intelectual, discriminação sexual, entre outros.
     E, se o ato de descriminar significa absolver de crime; o ato de discriminar (uma pessoa dentro da sociedade, especialmente por motivos raciais ou sexuais) pode ser  considerado um crime de acordo com a legislação atualmente vigente em nosso país.