Cem usos inadequados da Língua Portuguesa (41-50)

     Hoje em dia os conceitos de certo e errado em Língua Portuguesa tornaram-se elásticos e flexíveis de modo que não devemos considerá-los tal como antes. A adequação ou inadequação do uso de determinada expressão em um contexto específico é o que é o vem sendo proposto pelos lingüistas do século XXI. Diante disto, apresentamos usos inadequados da Língua Portuguesa, levando-se em conta a norma culta.

41 Ele foi um dos que “chegou” antes. Um dos que faz a concordância no plural: Ele foi um dos que chegaram antes (dos que chegaram antes, ele foi um). / Era um dos que sempre vibravam com a vitória.
42 “Cerca de 18 pessoas o saudaram. Cerca de indica arredondamento e não pode aparecer com números exatos: Cerca de 20 pessoas o saudaram.
43 Ministro nega que “é” negligente. Negar que introduz subjuntivo, assim como embora e talvez:Ministro nega que seja negligente. / O jogador negou que tivesse cometido a falta. / Ele talvez o convide para a festa. / Embora tente negar, vai deixar a empresa.
44 Tinha “chego” atrasado. “Chego” não existe. O certo: Tinha chegado atrasado.
45 Tons “pastéis” predominam. Nome de cor, quando expresso por substantivo, não varia: Tons pastel, blusas rosa, gravatas cinza, camisas creme. No caso de adjetivo, o plural é o normal: Ternos azuis, canetas pretas, fitas amarelas.
46 Lute pelo “meio-ambiente”. Meio ambiente não tem hífen, nem hora extra, ponto de vista, mala direta, pronta entrega, etc. O sinal aparece, porém, em mão-de-obra, matéria-prima, infra-estrutura, primeira-dama, vale-refeição, meio-de-campo, etc.
47 Queria namorar “com” o colega. O com não existe: Queria namorar o colega.
48 O processo deu entrada “junto ao” STF. Processo dá entrada no STF. Igualmente: O jogador foi contratado do (e não “junto ao“) Guarani. / Cresceu muito o prestígio do jornal entre os (e não “junto aos“)leitores. / Era grande a sua dívida com o (e não “junto ao“) banco. / A reclamação foi apresentada ao (e não “junto ao“) Procon.
49 As pessoas “esperavam-o”. Quando o verbo termina em m, ão ou õe, os pronomes o, a, os e as tomam a forma no, na, nos e nas: As pessoas esperavam-no. / Dão-nos, convidam-na, põe-nos, impõem-nos.
50 Vocês “fariam-lhe” um favor? Não se usa pronome átono (me, te, se, lhe, nos, vos, lhes) depois de futuro do presente, futuro do pretérito (antigo condicional) ou particípio. Assim: Vocês lhe fariam (ou far-lhe-iam)um favor? / Ele se imporá pelos conhecimentos (e nunca “imporá-se”). / Os amigos nos darão (e não “darão-nos”) um presente. / Tendo-me formado (e nunca tendo “formado-me”).

http://mscamp.wordpress.com/2009/08/23/os-100-erros-mais-comuns-da-lingua-portuguesa/

Nenhum comentário:

Postar um comentário