Afinal, o que são parônimos e homônimos?

     Há no léxico da língua portuguesa algumas palavras que, embora tenham sentidos diferentes, são confundidas porque apresentam semelhança, seja na escrita, seja na pronúncia. Dizemos que essas palavras são parônimas. Exemplo: "acender" (pôr fogo) ou "ascender" (subir). 
     Quando há diferença na escrita e semelhança na pronúncia, as palavras são homônimas. Exemplo: "empoçar" (formar poça) ou "empossar" (dar posse a). 
     A seguir temos uma lista de palavras parônimas ou homônimas:

Emergir = vir à tona/imergir = mergulhar
Espiar = espreitar/expiar = sofrer castigo ou pena
Consertar = reparar/concertar = harmonizar
Coser =costurar/cozer = cozinhar
Censo = recenseamento/senso = juízo claro
Acessório = o que não é essencial/assessório = relativo a assessor
Descriminar = inocentar/discriminar = distinguir
Delatar = denunciar/dilatar = estender
Espirar = soprar/expirar = expelir o ar dos pulmões, morrer
Estrato = camada sedimentar/extrato = fragmento
Intenção = propósito/intensão = intensidade
Mandado = ordem judicial/mandato = período de gestão política
Infligir = aplicar pena/infringir = violar
Tachar = censurar/taxar = estabelecer preço
Soar = produzir som/sua r= transpirar
Cessão = doação/Seção = divisão/Sessão = reunião
Descrição = representação/discrição = ato de ser discreto, reservado
Emigrante = o que sai do próprio país/Imigrante = o que entra em país estranho
Decente = limpo/descente = que desce

     Há palavras que têm o mesmo significado, mas admitem grafias diferentes. Essas formas são chamadas de "variantes". Vamos a alguns exemplos: "cociente/quociente", "cotidiano/quotidiano", "catorze/quatorze". Essas formas podem ser usadas indiferentemente. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário